Até à primeira metade do Século XIII não existe  documentação escrita sobre a freguesia, ou seja, até  à ocupação portuguesa do Algarve. A toponímia  parece, no entanto dar ideia daquilo que já era de  presumir da própria existência de uma ocupação  muçulmana longa e importante. Desse período ou de  instituições e factos da mesma provém topónimos  relevantes como Alcarias, que significa propriedades  rústicas povoadas, Almada de Ouro, que significa a  mina do ouro, talvez de origem moçárabe e Azinhal que pareçe ter também a mesma  origem. Existem ainda alguns topónimos que parecem apontar para uma certa  antiguidade como seja o caso de Murtal e Murteiras, Brenhosa e das Várias Cortes  que devem ser medievais.  Quanto à formação da paróquia basta o próprio padroeiro, o Espírito Santo  para a datar como após medieval, obra dos prelados da diocese, talvez do século XVI,  sendo por isso o cura do Azinhal apresentado por eles, com trezentos e cinquienta  alqueires de trigo de renda, isto para o século XVIII.    Aliás é em 1565 que aparece pela primeira vez,  nas Visitações da Ordem de Santiago referência à  “capela curada do Santo Espírito”, ou seja, do  Espírito Santo do Azinhal, cuja freguesia era  constituída por uns setenta vizinhos ou fogos.  Aconteceu mesmo que nesse ano os visitantes  ficaram muito ofendidos por lhes terem dito que as  cabras dormiam em redor daquele templo. O templo do Azinhal, que referem os visitadores, uma  vez como capela outra como igreja, tinha pia de baptizar, símbolo próprio da paróquia  e capelão a quem os seus fregueses davam em cada ano dois moios de trigo,  conforme informa Arnaldo Casimiro Anica, na obra “Freguesias, Vilas e Cidades do  Algarve - Sua Aniguidade e população”    A freguesia de Azinhal sempre pertenceu ao  concelho de Castro Marim exceptuando durante o período  compreendido entre 14 de Agosto de 1985 e 13 de Janeiro  de 1898, em que esteve integrada no concelho de Vila Real  de Santo António, por o município de Castro Marim ter sido  suprimido.  Em termos demográficos existem alguns registos.  Assim em 1712 a povoação tinha trezentos e vinte ou  trezentos e vinte e um fogos, em 1862 há a registar  trezentos e vinte e sete fogos para um número de mil  duzentos e sete moradores. Em 1869 o número de fogos  tinha aumentado para trezentos e vinte e sete.  A população de Azinhal era em 1864 de mil trzentos  e quarenta e sete pessoas. O censo de 1890 indica para  esta povoação o número de quatrocentos e dez fogos e mil  quinhentos e sessenta habitantes, em 1900 a população  cresce para mil seiscentas e setenta almas, registando-se  em 1920 um pequeno decréscimo, mil seiscentas e  sessenta e uma. © 2010 - 2011 Todos os direitos reservados